Laboratório Nacional
de Luz Síncrotron

English

Gestão do Projeto Sirius

VOLTAR

Sirius deve ser um equipamento no estado da arte das fontes de luz síncrotron, projetado para atender demandas científicas em áreas estratégicas para o País.

Os principais parâmetros da nova fonte de luz síncrotron – diâmetro do acelerador, energia dos elétrons, corrente de operação, emitância – devem ser estabelecidos com o objetivo de atender sua finalidade científica, ou seja, a análise em nível atômico e molecular de diversos materiais. Além disso, esta complexa infraestrutura de pesquisa exige sofisticados desenvolvimentos em física e engenharia desde o planejamento conceitual até a produção de seus componentes.

O conjunto das inúmeras atividades de uma equipe técnica altamente especializada requer, portanto, planejamento e coordenação estruturados em uma gestão adequada. O Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), pela experiência adquirida na construção e operação do UVX, a primeira, e ainda hoje a única, fonte de luz síncrotron brasileira, reúne condições singulares para coordenar o desenvolvimento do projeto Sirius.

Equipes Técnicas e Científicas


Os projetos da fonte de luz síncrotron e das linhas de luz são realizados pela equipe de profissionais do LNLS. Esses profissionais (técnicos, engenheiros, pesquisadores, etc.) são organizados em grupos que refletem as diferentes competências técnicas exigidas pelo projeto, tais como física de aceleradores, vácuo, radiofrequência, magnetos, instrumentação de linhas de luz, proteção radiológica, instalações especiais, projetos mecânicos e outros.

É importante salientar que, devido à especificidade e à complexidade do projeto, a qualidade e experiência técnica da equipe é item crucial para o sucesso da empreitada. Esse sucesso é garantido pela presença de funcionários com anos de experiência no LNLS, muitos dos quais participaram da construção do primeiro síncrotron brasileiro, inaugurado em 1997.

O desenvolvimento dos diferentes componentes do Sirius demanda estudos teóricos detalhados e simulações numéricas, os quais definem requisitos para o projeto de engenharia de milhares de componentes e sistemas, como imãs, fontes, sistema de radiofrequência e muitos outros.

Durante esse processo, há a interação entre as equipes técnicas, responsáveis pelo projeto dos diferentes subsistemas – vácuo, ímãs, diagnóstico, controle, injeção, alinhamento, etc. –, em busca das soluções que permitam atender os exigentes parâmetros de fabricação e operação.

Este é um longo ciclo de projeto, prototipagem e ajustes envolvendo os grupos de física e engenharia de aceleradores. Simultaneamente, ocorrem também os projetos das linhas de luz e das obras civis e o desenvolvimento de todos esses projetos precisam ser inter-relacionados.

Equipe de Gerenciamento do Projeto


Como Sirius é um projeto com características pioneiras, boa parte dos processos e componentes a serem usados não existem no mercado e seu desenvolvimento exige soluções inovadoras. É importante salientar, ainda, que esse ciclo de desenvolvimentos conjuntos faz com que o projeto passe por constantes revisões ao longo de sua trajetória, em busca de soluções factíveis que permitam atender as suas inúmeras exigências técnicas.

O sucesso do projeto Sirius requer, portanto, um rigoroso planejamento e acompanhamento de diferentes aspectos de gestão, como aquisição de materiais e equipamentos, análise de riscos, definição e monitoramento de cronograma e orçamento, recursos humanos e controle de qualidade.

A coordenação e acompanhamento de todos os aspectos técnicos, gerenciais e administrativos do projeto Sirius está a cargo da seguinte equipe:

Antonio José Roque da Silva | Diretor do Projeto Sirius
Antonio Ricardo Droher Rodrigues | Coordenador dos Aceleradores
Harry Westfahl Jr. | Coordenador das Linhas de Luz
Oscar Horácio Vigna Silva | Coordenador das Obras Civis
Cleonice Ywamoto | Gerenciamento do Projeto
Roberta Paschoal Gomes | Gerenciamento do Projeto
Marcelo Moreira Xavier | Gerenciamento do Projeto

Orçamento


A partir do escopo e da estrutura analítica do projeto Sirius, foram definidas e sequenciadas as atividades com estimativas de recursos (humanos, financeiros e materiais) para os projetos dos aceleradores da fonte de luz síncrotron, das linhas de luz e das obras civis.

Fonte de Luz Síncrotron: O projeto da fonte de luz síncrotron está subdividido em dois grandes blocos: anel de armazenamento e sistema de injeção de elétrons.

A gestão do anel de armazenamento é subdividida em 14 subprojetos. Já o sistema de injeção de elétrons é estruturado em quatro blocos: Linac, Booster, linha de transporte Linac-Booster e linha de transporte Booster-Anel. Cada um desses blocos é organizado em subprojetos distintos.

Esses subprojetos são, por sua vez, estruturados em atividades diversas. Por exemplo, o subprojeto da rede magnética do Booster envolve os desenvolvimentos e a posterior fabricação dos dipolos, quadrupolos, sextupolos e corretoras do Booster. Cada uma dessas atividades é detalhada com os líderes dos grupos técnicos, em conjunto com os coordenadores e a equipe de gestão. A etapa final de execução é a instalação, montagem e comissionamento do anel de armazenamento e do sistema de injeção.

Linhas de Luz: As linhas de luz estão organizadas em 13 projetos distintos. Como estratégia de execução, esses projetos são abordados em grupos, respeitando a sinergia técnica entre os desenvolvimentos de partes e sistemas de cada grupo, facilitando a gestão.

Obras Civis: As principais atividades relacionadas às obras civis, incluídas no escopo do projeto, são: a) Construção de instalações auxiliares para acomodar áreas técnicas de trabalho essenciais para o desenvolvimento e construção de componentes para a fonte e as linhas de luz do Sirius; b) Elaboração de projeto conceitual arquitetônico; c) Elaboração do projeto executivo detalhado de engenharia das obras civis; d) Realização de serviços de terraplanagem e drenagem da área na qual o Sirius será construído; e) Licenciamento; f) Contratação, acompanhamento e fiscalização da construção do prédio principal da fonte de luz síncrotron; g) Construção de demais itens de infraestrutura como subestação de energia, estação de tratamento de água, portaria, arruamentos e estacionamentos.

Recursos Humanos


Para definir a necessidade de recursos humanos dedicados ao projeto e garantir a execução bem-sucedida do projeto Sirius, de acordo com o cronograma proposto, foi realizada uma análise detalhada de dimensionamento e carga de trabalho de cada grupo.

Essa análise é revisada periodicamente, balizando a necessidade de contratação em cada área técnica e para cada perfil de colaborador. Ela é fundamental para definir a necessidade de contratação de um novo colaborador em tempo hábil para que seja treinado, a fim de garantir que uma determinada área não se torne gargalo no projeto, sendo, inclusive, parte das análises de risco.

O cumprimento das metas de contratação é um item fundamental para o sucesso do projeto. Os desafios são grandes, pois exigem um volume significativo de recrutamento de profissionais qualificados, em um curto espaço de tempo. É importante notar que o orçamento necessário à área de recursos humanos depende do cronograma do projeto, de modo que a extensão do cronograma tem impacto direto nesse valor.

Cronograma


A definição do cronograma de execução do projeto passa por uma criteriosa avaliação técnica do tempo necessário para a execução das diferentes atividades, bem como por uma estimativa de fluxo de caixa anual. Levando em conta esses dois fatores, a proposta apresentada a seguir considera a finalização do projeto Sirius em 2020.

A construção do prédio principal teve início em janeiro de 2015. A obra terá duas grandes entregas: em setembro de 2017 o prédio será liberado para a instalação e montagem da fonte de luz síncrotron e, em março de 2018, a obra será concluída.

O processo de instalação dos inúmeros componentes que, reunidos, formarão a fonte de luz síncrotron começará pelo acelerador linear (Linac), seguido da instalação do acelerador injetor (Booster) e do anel de armazenamento de elétrons. De acordo com o planejamento realizado, o primeiro feixe de elétrons deve ser obtido em junho de 2018.

O projeto para construção das linhas de luz encontra-se em fase de desenvolvimento técnico e prototipagem das primeiras 13 linhas previstas para serem instaladas no Sirius. No final de 2019, serão entregues as primeiras 5 linhas de luz, e ao final de 2020, serão entregues as 8 linhas de luz restantes.

Avaliação internacional


Uma das ações necessárias para garantir a qualidade e a assertividade do projeto é a avaliação periódica por comitês externos, compostos por especialistas em luz síncrotron de diversos locais do mundo. Assim, alguns comitês vêm periodicamente ao LNLS a fim de analisar os desenvolvimentos do projeto.

O Scientific Advisory Committee (SAC) é um comitê que vem regularmente ao LNLS para avaliar o Laboratório. Como parte de suas atribuições está também a avaliação das linhas de luz do Sirius.

O Machine Advisory Committee (MAC) tem como papel principal avaliar os desenvolvimentos da fonte de luz síncrotron e demais instalações, incluindo as obras civis. A quarta reunião do comitê MAC aconteceu entre 31 de março e 2 de abril de 2015 e foi composto por:

Albin Wrulich | PSI – SLS, Suíça
Helmut Wiedemann | Stanford, EUA
Leonid Rivkin | PSI – SLS, Suíça
Mikael Eriksson | MAX-IV, Suécia
Nelson Velho de Castro Faria | IF-UFRJ, Brasil
Robert Hettel | SSRL – SLAC, EUA
Zhao Zhentang | SSRF – SINAP, Shanghai, China

 

Por fim, ao longo do projeto das linhas de luz para o Sirius estão sendo constituídos diferentes comitês para avaliação de blocos de linhas específicas, chamados Beamline Advisory Teams (BATs).

A reunião mais recente dos BATs aconteceu simultaneamente com a 4ª Reunião do MAC. Os comitês avaliaram em detalhes os projetos de quatro das linhas de luz do Sirius, baseados nos Conceptual Design Reports (CDR), e fizeram avaliações gerais sobre seis das outras linhas de luz.

De forma geral, os comitês foram unânimes quanto à excelência dos projetos e das suas fortes conexões com casos científicos especialmente relevantes para o desenvolvimento do Brasil. Alguns dos comentários extraídos dos relatórios dos comitês são reproduzidos abaixo.